Sou negra como à noite!

sexta-feira, 9 de maio de 2014

# Somostodosmacacos




Vendo a repercussão do caso do jogador Daniel Alves, não em agir com espontaneidade em comer  a banana e sim pelo fato da  #somostodosmacacos. Vejo as criticas de forma diferente! Eu como uma negra e afrocêntrica, por sinal, não me incomodei com este showglan de sermos intitulados primatas, até porque, segundo a ciência, todos os humanos descendem deste mamífero quadrúmano. 

E se tem uma coisa que aprendi com o meu pai teórico Stuart Hall e que Olorum o tenha em um bom lugar! É roubar o fogo do próprio termo, é desconfigurar o discurso para ser usado de forma positiva, sendo uma forma de modificar ou rearticular as associações que se referem ao negro no campo ideológico, passando do negativo para o positivo. Esta sempre será a nossa luta ideológica que consiste em obter um novo conjunto de significados para termo ou categoria já existente, de sermos chamados de macacos, portanto, desarticule esse lugar na estrutura significativa. Segundo Hall o termo "negro" pode ser contestado, transformado e investido de um valor ideológico positivo.


É enxergar isso como uma estratégia de despertar uma consciência étnica entre os negros e não negros. "Ao invadir o âmago da definição negativa, o movimento negro tem que tentar "roubar o fogo" do próprio termo. Porque "negro" antes significava tudo que devia ser menos respeitado, agora pode ser afirmado como "lindo", a base da identidade social positiva, que requer e engrena respeito".

Seja você é mulher, então seja a Rainha Nzinga e se você é homem seja o Rei Zumbi, saiba seu valor, ande com a cabeça erguida e na diagonal, não se incomode tanto com as ofensas, Daniel à exemplo, comeu  a banana e fez dois cruzamentos que deram origens a gols, se mira neste modelo, dá a resposta a altura e mostra do que você é capaz!!    

Recorrendo mais uma vez aos teóricos, segundo Erik Erikson a identidade negativa são atributos indesejados, assim, quando existe algo que ajude a superar a imagem negativa que a classe dominante forma a respeito, o grupo excluído aceita a identidade negativa na expectativa de conseguir transformá-la. Segundo Erikson está é uma tendência universal encontrada pelos grupos explorados.

Ao observar a sociedade podemos olhá-la pelo viés das representações. E o que está # representa? Pra mim? É o prestígio e a inserção social, é o despertar para a ascendência africana e às dificuldades comuns aos "homens de cor", passando a defender seus interesses.  Esta # representa a consciência de um nós coletivo - os afro descendentes. E o negro que se sentiu ofendido com está publicidade é porque não sabe da sua consciência histórica e nem do seu papel na humanidade, eu particularmente, enalteço o Black is Beautiful. Sou tão bem resolvida com a minha ancestralidade, com a minha auto-estima que isso não me causou injuria!

Os negros que se sentiram afetados com esta divulgação #somostodosmacacos  pra mim é o reflexo da ignorância! Realce, levante a sua moral!! Tome como exemplo o movimento dos Panteras Negras, se informe!! E saberá ser além...
         

3 comentários:

  1. Oie , primeira vez aqui no seu blog e confesso que deu um nó na garganta. Você me fez sentir mais falta da minha Bahia, do Pelô e das praças, da Unegro e ainda me lembrou minha grande amiga Yara, que é uma excelente psiquiatra e filha de santo. Como a maioria das que encontram o blog venho em busca de resolver o mal de amor e li sobre a famosa cebola, ainda esta trocando? Estou precisando dar a volta por cima. volto depois para ler sua resposta, ate mais .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você leu a postagem sobre o ebó da cebola direito, viria que tem que me mandar um email solicitando, não é mesmo?

      jornalista.suzanatavares@gmail.com

      Excluir
    2. E ,é verdade. Quanta ignorância de minha parte. Lamento o inconveniente e incomodo.

      Excluir

Só aceito cometários com IDENTIFICAÇÃO, por favor coloque SEU NOME, se não, não publico! AXÉ

Contato: jornalista.suzanatavares@gmail.com / suzanatavares1@gmail.com