Sou negra como à noite!

domingo, 16 de junho de 2013

TCC Online

 Revista Raça Brasil: Identidade, afirmação e polêmica
 
 
A revista Raça é caracterizada como a "revista do negro brasileiro", lançando o seu primeiro número no dia 2 de setembro de 1996. Nesta época o seu editor chefe era Aroldo Macedo, para quem, essa mídia impressa nasceu para dar ao negro o orgulho de ser negro. 
 
A Raça Brasil se insere no movimento negro brasileiro abrindo caminho para a via política do black is beautiful. Segundo Gevanilda Santos (1997), esta possibilidade mercadológica foi construída a partir das décadas de 1960 e 1970, quando a política racial brasileira, norte-americana e sul-africana mudaram a representação do negro diante da sociedade e dos meios de comunicação de massa.   
 
Estamos falando da luta por direitos civis de Luther King, do movimento dos Panteras Negras e da liderança política de Malcolm X, da ação política do movimento negro brasileiro e do crescimento da hegemonia política das forças que estiveram ao lado de Nelson Mandela contra o regime do apartheid. Tanto lá fora como aqui, ocorreu movimentação pela reconstrução da identidade social, política e cultural do negro.  
 
Raça Brasil é uma revista mensal que pode ser encontrada nas bancas de qualquer lugar do Rio de Janeiro, São Paulo, Mina Gerais e Bahia. Em cada página um assunto voltado para a identidade negra.  
 
A revista Raça veio com uma publicação ilustrada bem editada, a cores, voltada para o público negro. De acordo com a pesquisadora Ilana Strozenberg no seu artigo " Branca, preta, híbrida: qual é a cor da beleza na propaganda brasileira hoje?", a revista Raça tem sido, desde então, objeto de grandes polêmicas e alvo de severas críticas de uma parte dos militantes do Movimento Negro, que a consideram excessivamente voltada para o consumo, em detrimento de questões políticas mais urgentes. As opiniões dos leitores, que aparecem em várias edições de todas as revistas, sinalizam para a incoerência de se deixar de lado assuntos importantes e que mexem com o dia-a-dia da comunidade negra em todo o País.  
 
As pessoas cobram posicionamentos que saiam do discurso meramente consumista. Criticam depoimentos de negros famosos que reforçam o Black is Beautiful e esquecem dos problemas sociais, além de questionar a própria linha editorial que exagera nos anúncios publicitários que mostram uma realidade para efeitos mercadológicos.     
 
Acredita-se que existem algumas armadilhas nesses discursos que merecem alguns comentários mais cuidadosos. Vejamos que a tendência naquele momento – metade da década de 1990 – apresentava a revista Raça Brasil, que se pautava em elogiar e reforçar estereótipos sobre o corpo, os cabelos e os produtos de consumo de massa, como roupas de grife, por exemplo.  Há alguns contrapontos encontrados nos discursos dessa revista destinada para os afro-brasileiros.  
Quando escolhem a linguagem mercadológica para falar de auto-estima, cidadania e consciência racial, esquecendo o grande problema que assola a maioria dos negros brasileiros, o baixo poder aquisitivo, esse discurso seguramente incorpora poucos negros nos padrões propagados pela Afromídia, já que boa parte sobrevive com um salário mínimo, de biscates ou está desempregada. 
 
O preço dos produtos alerta contra atitudes artificiais que tendam a achar que o visual vai resolver alguns problemas que são, na verdade, de base social. Assim leva este discurso truncado a uma reflexão: como podem estes negros afirmar sua identidade racial na aparência se estes mesmos produtos não são acessíveis à maioria da população?
 
Do ponto de vista dos defensores da revista, por outro lado, o consumo e a estética são, na sociedade contemporânea, instrumentos de luta pela cidadania e, portanto, elementos de uma ação política estratégica. Dessa perspectiva, produzir mudanças no imaginário social é um passo decisivo para provocar mudanças nos processos de construção de identidades e, portanto, das relações de poder que se estabelecem na prática. 
 
Seja qual for a opinião que se tenha a respeito da Raça, entretanto, é inegável que essa revista, apesar das várias crises editoriais e da queda nas vendas que levaram à redução de sua periodicidade, foi um marco na divulgação de uma estética negra positivamente valorizada, e isso não apenas para o seu público alvo.  
 
Embora predomine entre a maioria dos profissionais da propaganda uma perspectiva marcadamente utilitarista, que atribui o crescimento do mercado de produtos étnicos e a presença cada vez mais evidente de negros na propaganda, sendo este um ponto de argumento pela revista onde a diretora geral da Raça na época, Liliane Santos, no editorial da Edição 102 – Setembro/2006, que comemora os 10 anos da revista, faz tal afirmação: "Hoje somos maioria e fico feliz em não sermos à única revista com negros e personalidades negras na capa. Raça Brasil foi causa e efeito dessa significativa mudança".    
 
A revista Raça veio com a missão de afirmar o orgulho de milhões de negros  brasileiros. O discurso anti-racista empreendido hoje pelo movimento negro, no Brasil, que é a temática central da revista, perde-se, por vezes, em labirintos e armadilhas do sistema capitalista do consumo pleno. Um paradoxo pode ser identificado a partir desses novos espaços de comunicação e expressão, que por um lado buscam veicular a informação mas, por outro, reforçam as práticas de consumo.   
 
Trabalhando em suas páginas problemas voltados para os afro-descendentes, ela traz discussão sobre a identidade do negro e faz o regate da sua herança cultural, incentiva à valorização pessoal e a auto-estima através da representação da imagem do negro bem produzida, tanto na fotografia como na produção de modelo fotográfico, como também os depoimentos de pessoas famosas, ou do cotidiano que são sucesso, ou que conseguiram chegar à ascensão desejada na sociedade. A revista Raça surge com o papel de trabalhar a auto-estima dos negros e negras, valorizando a cor da sua pele, o seu cabelo, as suas feições, trabalhando uma identidade positiva.  
 
Está posição da revista é explicada por Erik Erikson (1976), para quem o estabelecimento da consciência de uma identidade só pode ser alcançada, evidentemente, por um sentimento de identidade conquistado em ação. Ou seja, esse sentimento esta relacionado à participação do indivíduo na vida social, de forma que se sinta valorizado e útil, estando relacionado à identidade positiva com atributos pertencentes ao sujeito ou ao seu grupo, dos quais ele se orgulha.  
 
O autor prossegue argumentando que a identidade negativa são atributos indesejados por ele, assim, quando existe algo que ajude a superar a imagem negativa que a classe dominante forma a respeito deles, o grupo excluído aceita a identidade negativa na expectativa de conseguir transformá-la. Segundo Erikson está é uma tendência universal encontrada nos grupos explorados.      
 
A Revista Raça Brasil, dirigida a um público identificado como de classe média negra, é o foco do antropólogo Peter Fry para discutir a interação entre mídia e as representações sociais na construção de uma identidade racial brasileira.  
 
É no terreno da mídia que Fry (2005 , p.348) salienta a imperiosa tarefa de combater o preconceito racial através da consciente modificação da relação entre lugar social, imagem e inferiorização racial. Analisando o êxito da revista Raça Brasil, o autor sustenta que é no plano da imagem que a valorização do negro alcançou maior eficácia, na publicidade, no telejornalismo e nas novelas, desmontando-se a equação perversa entre inferioridade racial, poluição moral e desvalorização estética.  
 
Fry (2005) afirma que ao promover um ideal de beleza e auto-estima negra, Raça Brasil opera com pressuposto racialista, no sentido de evocar o carisma da raça negra e de visar a formação de uma identidade racial negra, onde a própria revista no seu primeiro número, trazia um editorial no qual afirmava que a publicação nasceu para dar ao leitor o orgulho de ser negro, propondo falar dos problemas dos leitores e apresentar soluções, ajudando a se cuidar melhor, discutir a identidade, resgatar a herança cultural negra, e, principalmente, afirmar as qualidades.
 
A revista vem tentando reverter estereótipos como as do negro preguiçoso, pobre, sujo, feio e burro, trazendo matérias nas quais uma composição de valores mostra o contrário: mostra negros bem-sucedidos e bonitos. E para muitos reverter esse quadro de valores é uma luta importante para construir uma identidade cultural/racial positiva.

 
* Retirado da minha monografia: As representações Sociais na Ressignificação da Identidade Ética do povo negro: no caso da revista Raça Brasil. Defendida na semana da Consciência Negra em 23 de novembro de 2006.   
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Só aceito cometários com IDENTIFICAÇÃO, por favor coloque SEU NOME, se não, não publico! AXÉ

Contato: jornalista.suzanatavares@gmail.com / suzanatavares1@gmail.com